100%

Projeto de Lei Complementar n. 0030/2015

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N. 0030/2015


“ALTERA A ESTRUTURA DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE LAGUNA, CONSOLIDA A LEGISLAÇÃO VIGENTE, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS”.


O PREFEITO MUNICIPAL DE LAGUNA/SC., Sr. Everaldo dos Santos, no uso de suas atribuições legais, faz saber a todos os habitantes, que a Câmara de Vereadores aprovou e, ele sanciona, a seguinte Lei Complementar:
 
 
 
TÍTULO I
 
DA ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL
 
 
Art. 1º O Poder Executivo é exercido pelo Prefeito Municipal, auxiliado pelo Vice-Prefeito, pelos Secretários Municipais e dirigentes de entidades da administração indireta.
 
Parágrafo único. O Vice-Prefeito, além das atribuições que lhe forem conferidas por lei, auxiliará o Prefeito Municipal quando convocado para missões especiais.
 
Art. 2º  A administração pública municipal compreende:
 
I – a administração direta, constituída pelos órgãos integrantes da estrutura organizacional administrativa do Gabinete do Prefeito Municipal, do Gabinete do Vice-Prefeito e das Secretarias Municipais.
II – a administração indireta, constituída pelas entidades dotadas de personalidade jurídica própria, criadas ou instituídas na forma da lei.
 
Art. 3º  Os Secretários Municipais, auxiliares diretos e imediatos do Prefeito Municipal, exercem atribuições legais e regulamentares, com o apoio dos servidores públicos titulares de cargos efetivos, de provimento em comissão a eles subordinados direta ou indiretamente.
 
Art. 4º  No exercício de suas atribuições cabe aos Secretários Municipais:
 
I - expedir ordens de serviço disciplinadoras das atividades integrantes da área de competência das respectivas Secretarias, exceto quanto às inseridas nas atribuições constitucionais e legais do Prefeito Municipal;
II - respeitada a legislação pertinente, distribuir os servidores públicos pelos diversos órgãos internos das Secretarias que dirigem e cometer-lhes tarefas funcionais executivas;
III - receber reclamações relativas à prestação de serviços públicos, decidir e prover as correções exigidas;
IV - decidir, mediante despacho exarado em processo, sobre pedidos cuja matéria se insira na área de competência das Secretarias que dirigem.
 
 
TITULO II
 
DO FUNCIONAMENTO
 
 
Art. 5º  O funcionamento dos órgãos e entidades do Poder Executivo obedecerá ao disposto nesta Lei e na legislação aplicável, tendo como instrumentos básicos:
 
I – planejamento;
II – coordenação;
III – descentralização;
IV - interiorização;
V – execução;
VI - delegação de competência;
VII – controle;
VIII - supervisão superior.
 
 
CAPÍTULO I
 
DO PLANEJAMENTO
 
 
Art. 6º A ação governamental obedecerá a um planejamento que vise a promover o desenvolvimento físico-territorial, econômico, social e cultural da comunidade, e compreenderá a elaboração e adequação dos seguintes instrumentos básicos:
 
I – plano plurianual de governo;
II – programas gerais, setoriais e regionais de duração anual e plurianual;
III – diretrizes orçamentárias;
IV – orçamento anual;
V – programação financeira de desembolso.
 
§ 1º O planejamento guardará perfeita coordenação com os planos, programas e projetos do Governo da União e do Estado.
§ 2º O planejamento governamental deverá observar as propostas apresentadas pela comunidade em audiências públicas realizadas com esse fim, na forma do regulamento.
 
CAPÍTULO II
 
DA COORDENAÇÃO
 
 
Art. 7º As atividades da administração municipal e, especialmente, a execução dos planos e programas de governo serão objeto de permanente coordenação.
 
§ 1º A coordenação será exercida em todos os níveis da administração mediante atuação das chefias individuais, realização sistemática de reuniões com a participação das chefias subordinadas, dos funcionários e, se necessário, a instituição e o funcionamento de comissões de coordenação em cada nível administrativo.
 
§ 2º No nível superior da administração municipal a coordenação será assegurada através de:
 
I – reuniões do secretariado, com a participação dos titulares de cargos ou funções, convocados pelo Prefeito;
II – reuniões de secretários municipais e titulares de cargos ou funções, por áreas afins;
III – atribuição a um dos secretários municipais a coordenação de ações que envolvam a participação de mais de uma secretaria municipal ou entidades da administração indireta vinculadas, para fins de supervisão.
 
§ 3º Os assuntos submetidos ao Prefeito Municipal deverão ser previamente coordenados com todos os setores nele interessados, inclusive quanto aos aspectos administrativos permanentes, de modo a empreenderem soluções integradas e harmônicas com a política geral e setorial do governo.
 
Art. 8º  Os convênios deverão ser celebrados sob coordenação integrada.
 
 
CAPÍTULO III
 
DA DESCENTRALIZAÇÃO
 
 
Art. 9º A execução das atividades da administração municipal deverá ser descentralizada.
 
Parágrafo único. A descentralização será efetivada em três planos principais:
 
I – nos quadros da administração direta, de nível de direção para o nível de execução;
II – da administração direta para a administração indireta;
III – da administração do Município para a órbita:
a) da comunidade organizada, por intermédio de convênio ou de acordo;
b) da iniciativa privada, mediante contrato para execução de obras ou serviços ou pela concessão com o objetivo de exploração de bens ou de atividade econômica.
 
 
CAPÍTULO IV
 
DA INTERIORIZAÇÃO
 
 
Art. 10  A interiorização compreende a execução das atividades inerentes às obras e serviços nas comunidades do interior do Município através das administrações de núcleos do interior, de forma integrada com os demais órgãos da administração central.
 
 
CAPÍTULO V
 
DA EXECUÇÃO
 
 
Art. 11  Os atos de execução singulares ou coletivos obedecerão aos preceitos legais e às normas regulamentares, observados critérios de racionalização, qualidade e produtividade.
 
Parágrafo único. Os serviços de execução são obrigados a respeitar, na solução de todo e qualquer caso e no desempenho de suas competências, princípios, critérios, normas e programas estabelecidos pelos órgãos centrais de direção a que estiverem subordinados, vinculados ou supervisionados.
 
 
CAPÍTULO VI
 
DA DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIA
 
 
Art. 12  A delegação de competência será utilizada como instrumento de descentralização administrativa, com o objetivo de assegurar rapidez às decisões.
 
Art. 13  O Chefe do Poder Executivo poderá delegar competência aos secretários municipais, nos limites estabelecidos na Lei Orgânica do Município.
 
§ 1º O Chefe do Poder Executivo e os Secretários Municipais poderão delegar competência aos dirigentes de órgãos a eles subordinados, vinculados ou supervisionados, para a prática de atos administrativos, conforme se dispuser em regulamento.
 
§ 2º O ato de delegação indicará a autoridade delegante, a autoridade delegada e as competências da delegação.
 
 
CAPÍTULO VII
 
DO CONTROLE
 
 
Art. 14  O controle das atividades da administração municipal será exercido em todos os níveis, em todos os órgãos e em todas as entidades compreendendo:
 
I – a execução dos programas de governo;
II – controle, pelos órgãos de cada sistema, da observância das normas gerais que regulam o exercício das atividades auxiliares;
III – controle da aplicação do dinheiro público e da guarda dos bens do Município pelos órgãos dos sistemas de contabilidade, auditoria e administração financeira.
 
Art. 15  A tarefa de controle, com o objetivo de melhorar a qualidade e a produtividade será racionalizada mediante revisão de processos e supressão de meios que se evidenciarem puramente formais ou cujo custo seja evidentemente superior ao risco.
 
 
CAPÍTULO VIII
 
DA SUPERVISÃO SUPERIOR
 
 
Art. 16  Estão sujeitos à supervisão direta do Prefeito Municipal todos os órgãos diretamente a ele subordinados.
 
Art. 17  O Secretário Municipal é responsável perante o Prefeito Municipal pela supervisão dos órgãos da administração direta e das entidades da administração indireta enquadrados em sua área de competência.
 
Parágrafo único. A supervisão a cargo dos Secretários Municipais é exercida através de orientação, coordenação e controle das atividades dos órgãos subordinados e das entidades vinculadas ou supervisionadas.
 
Art. 18  A supervisão dos Secretários Municipais tem por principal objetivo, na área de sua respectiva competência:
 
I - assegurar a observância da legislação;
II - promover a execução dos programas de governo;
III - coordenar as atividades das entidades vinculadas ou supervisionadas e harmonizar a sua atuação com a das demais Secretarias Municipais;
IV - avaliar o comportamento administrativo das entidades vinculadas ou supervisionadas;
V - fiscalizar a aplicação e utilização de dinheiro, valores e bens públicos;
VI - acompanhar os custos globais dos programas setoriais de governo.
 
Art. 19  No que se refere à administração indireta, a supervisão visa a assegurar:
 
I - a realização dos objetivos fixados nos atos de institucionalização ou de constituição da entidade;
II - a harmonia com a política e a programação do governo no setor de atuação da entidade;
III - a eficiência administrativa;
IV - a diminuição dos custos e das despesas operacionais;
V - a autonomia administrativa, operacional e financeira da entidade.
 
Parágrafo único. A supervisão a que se refere este artigo é exercida mediante a adoção das seguintes medidas, além de outras estabelecidas em regulamento:
 
I - indicação ao Prefeito Municipal, ou, quando for o caso, a conselhos de administração e a assembléias gerais, de administradores e membros de conselhos fiscais;
II - designação, pelo Secretário Municipal, quando este não comparecer, dos representantes do Governo Municipal nas assembléias gerais e nos órgãos de administração ou controle da entidade;
III - recebimento sistemático de relatórios, boletins, balancetes e informações que permitam ao Secretário Municipal acompanhar as atividades da entidade e a execução do orçamento anual e da programação financeira aprovados pelo Governo;
IV - aprovação de contas, relatórios e balanços, diretamente ou através dos representantes, nas assembléias e órgãos da administração;
V - fixação, em níveis compatíveis com os critérios de operação econômica, das despesas de pessoal e de administração;
VI - fixação de critérios para a forma e valor dos gastos em publicidade, divulgação e relações públicas;
VII - realização de auditorias e avaliações periódicas de rendimento e produtividade;
VIII - destituição da autoridade do cargo ou da função que ocupa por motivo de interesse público.
 
Art. 20  Assegurada a supervisão objeto deste Capítulo, o Chefe do Poder Executivo outorgará aos dirigentes dos órgãos da administração municipal a autoridade executiva necessária ao eficiente desempenho de sua responsabilidade legal ou regulamentar.
 
Parágrafo único. Assegurar-se-ão às empresas públicas, às sociedades de economia mista, fundações e autarquias, condições de funcionamento, garantindo sua função social, cabendo a essas entidades, sob a supervisão do Prefeito Municipal ou do Secretário Municipal competente, ajustar-se ao Plano Plurianual de Governo.
 
Art. 21  A entidade da administração indireta deverá estar habilitada a:
 I - prestar contas de sua gestão, na forma e nos prazos estabelecidos em cada caso;
II - prestar, por intermédio da Secretaria de Administração, Fazenda e Serviços Públicos, as informações solicitadas pela Câmara de Vereadores, na forma Lei Orgânica do Município;
III - evidenciar os resultados positivos ou negativos de seus trabalhos, indicando suas causas e justificando as medidas postas em prática, ou cuja adoção se impuser, no interesse do serviço público.
 
 
TITULO III
 
DOS ÓRGÃOS E DAS ENTIDADES GOVERNAMENTAIS
 
 
Art. 22  A Administração Direta do Poder Executivo Municipal possui a seguinte estrutura:
 
I - órgãos de assessoramento:
a) Gabinete do Prefeito;
b) Procuradoria Geral;
 
II - órgãos auxiliares:
a) Secretaria da Fazenda, Administração e Serviços Públicos;
b) Coordenadoria de Controle Interno;
 
III - órgãos de atividade fim:
a) Secretaria de Transportes, Obras, Pesca, Desenvolvimento Rural e Aquicultura;
b) Secretaria de Saúde;
c) Secretaria de Educação e Esportes;
d) Secretaria de Turismo, Lazer e Comunicação;
e) Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Econômico e Social;
f) Secretaria de Assistência Social e Habitação; e
 
IV - órgãos colegiados.
 
Art. 23  A administração indireta é integrada pelas entidades criadas na forma da lei.
 
 
TÍTULO IV
 
DA ORGANIZAÇÃO E COMPETÊNCIA DOS ÓRGÃOS
 
CAPÍTULO I
 
DOS ÓRGÃOS DE ASSESSORAMENTO
 
Seção I
Do Gabinete do Prefeito
 
 
Art. 24  Ao Gabinete do Prefeito compete:
 
I – assessorar direta ou indiretamente o Chefe do Executivo em suas relações político-administrativas com os munícipes, órgãos e entidades públicas e privadas e associações de classe e na representação política do Governo;
II - desenvolver atividades de integração política e administrativa;
III - o acompanhamento de todas as atividades desempenhadas pelos órgãos da Administração;
IV - coordenar as atividades de apoio às ações políticas do Governo Municipal;
V - coordenar o planejamento de políticas publicas municipais;
VI - coordenar, em articulação com os demais órgãos da Administração Pública, a elaboração e o desenvolvimento de projetos destinados à captação de recursos;
VII – preparar e expedir a correspondência do Prefeito;
VIII – preparar, registrar, publicar, expedir, e manter sob sua responsabilidade os originais dos atos oficiais do prefeito; e
IX – manter estreito relacionamento com órgãos de comunicação social, no interesse da municipalidade.
 
Parágrafo único. O Gabinete do Prefeito possui a seguinte estrutura:
 
I - Assessoria de Gabinete.
 
 
Seção II
Da Procuradoria Geral
 
 
Art. 25  A Procuradoria-Geral do Município de Laguna, órgão vinculado à tutela do interesse público no Estado Democrático de Direito, como função essencial à justiça e ao regime de legalidade da administração pública, competindo-lhe:
 
I - representar o Município judicial e extrajudicialmente, como advocacia geral, nas causas em que este for interessado na condição de autor, réu, assistente, opoente ou interveniente, em qualquer instância ou órgão de jurisdição;
II - exercer as funções de consultoria jurídica e assessoramento do Poder Executivo e da Administração em geral;
III - promover a cobrança judicial e extrajudicial da dívida ativa do Município;
IV - responder pela regularidade jurídica de todas as situações negociais, políticas e administrativas do Município, submetidas à sua apreciação;
V - propor ao Prefeito Municipal medidas de caráter jurídico que visem proteger o patrimônio dos órgãos da Administração centralizada e descentralizada;
VI - elaborar e minutar os projetos de leis, decretos, contratos e outros atos municipais;
VII - requisitar, por meio de seus Procuradores, a entidades públicas ou privadas informações escritas, expedientes e processos administrativos, traslados, documentos em geral, cópias, inclusive autenticadas, diligências, esclarecimentos, ter acesso a sistemas e arquivos informatizados, assim como adotar outras medidas que entender necessárias a instruir processos ou procedimentos em que oficie, observados os trâmites legais próprios quanto ao sigilo bancário, telefônico e fiscal; e
VIII - exercer outras competências que lhe forem conferidas por lei ou por delegação do Prefeito.
 
Art. 26  A Procuradoria Geral possui a seguinte estrutura:
 
I - Procuradores na forma da Lei de cargos e salários;
II - Conselho de Procuradores, na forma do regulamento;
III - Departamento de Apoio Administrativo; e
IV - Departamento da Proteção e Defesa do Consumidor - PROCON.
 
 
CAPÍTULO II
 
DOS ÓRGÃOS AUXILIARES
 
 
Seção I
Da Secretaria da Fazenda, Administração e Serviços Públicos
 
 
Art. 27  À Secretaria da Fazenda, Administração e Serviços Públicos compete:
 
I - cadastro, lançamento, arrecadação e fiscalização dos tributos e demais rendas municipais;
II - recebimento, pagamento, guarda e movimentação do numerário e outros valores do Município;
III - registro e controle contábil de administração orçamentária, financeira e patrimonial do Município;
IV - fiscalização dos órgãos da administração direta e indireta encarregados do recebimento de numerário e outros;
V - aplicação das normas de fiscalização financeira e elaboração de prestação e tomadas de contas.
VI – organizar, controlar, regular e fiscalizar os serviços públicos concedidos;
VII – organizar, controlar, regular e fiscalizar a concessão de bens públicos colocados em exploração econômica à iniciativa privada;
VIII - padronização, aquisição, guarda, distribuição e controle de material, bens moveis e imóveis;
IX - recrutamento, seleção, treinamento, controle funcional e demais atividades de pessoal;
X - acompanhar a execução de convênios e prestação de contas dos mesmos;
XI - administração do edifício-sede da Prefeitura;
XII - exercer o controle orçamentário; e
XIII - efetuar o planejamento global das atividades anuais e plurianuais e outras atividades correlatas.
 
Art. 28  A Secretaria da Fazenda, Administração e Serviços Públicos possui a seguinte estrutura:
 
I - Departamento de Arrecadação e Acompanhamento Tributário:
a) Coordenadoria de Controle da Arrecadação de Tributos e Gestão da Dívida Ativa;
b) Coordenadoria de Cadastro e Fiscalização Tributária;
1. Divisão de Cadastro Imobiliário;
2. Divisão de Regularização Tributaria;
3. Divisão de Divida Ativa;
II - Departamento de Contabilidade:
a) Coordenadoria de Execução Orçamentária;
1. Divisão de Empenhos;
b) Coordenadoria de Movimentação Financeira;
1. Divisão de Documentação Bancaria;
c) Coordenadoria de Fundos, Registro Contábil e Prestação de Contas.
1. Divisão de Prestação de Contas.
III - Departamento de Recursos Humanos:
IV - Departamento Serviços Públicos:
a) Coordenadoria de Fiscalização de Serviços Públicos;
1. Divisão de Registro e Vistorias;
V – Departamento de Controle Patrimonial:
a) Coordenadoria Recebimento e Distribuição de Materiais;
b) Coordenadoria de Registro Patrimonial;
1. Divisão de Controle de Bens Móveis;
VI – Departamento de Licitação, Compras, Contratos e Convênios:
a) Coordenadoria de Preços, Cadastro e Registro de Fornecedores;
b) Coordenadoria de Controle de Contratos e Convênios;
1. Divisão de Apoio a Licitação;
VII – Departamento de Documentação:
a) Coordenadoria de Movimentação e Protocolo:
1. Divisão do Arquivo Público;
VIII - Departamento de Informática;
a) Divisão de Manutenção.
 
 
Seção II
Da Coordenadoria do Sistema de Controle Interno
 
 
Art. 29  À Coordenadoria do Sistema de Controle Interno, constituída sob a responsabilidade de servidor com nível superior, de provimento efetivo com formação na área das ciências contábeis, econômicas, jurídicas ou administração, compete, criar e desenvolver ações que visem à avaliação da ação governamental e da gestão fiscal dos administradores municipais, mediante a fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial, quanto à legalidade, legitimidade, economicidade, aplicação das subvenções e renúncia de receitas e em especial outras atribuições reguladas por lei específica;
 
Parágrafo único. O Sistema de Controle Interno é regulado por lei específica.
 
 
CAPÍTULO III
 
DOS ÓRGÃOS DE ATIVIDADES-FIM
 
Seção I
Da Secretaria de Transportes, Obras, Pesca, Desenvolvimento
Rural e Aquicultura
 
 
Art. 30  À Secretaria de Transportes, Obras, Pesca, Desenvolvimento Rural e Aquicultura compete:
 
I - guarda e manutenção da frota de veículos da Administração Direta;
II - construir e conservar as estradas, vias e logradouros públicos;
III - fiscalizar e executar as obras municipas;
IV - executar atividades relativas à limpeza urbana;
V - conceder e fiscalizar os serviços de utilidade pública;
VI - formular e coordenar a política municipal de preparação para estados de emergência e ou calamidade, avaliação de riscos, resposta aos desastres e reconstrução, bem como, execução dessas políticas;
VII – administrar, controlar e ampliar o sistema municipal de abastecimento de água e saneamento;
VIII – estabelecer normas complementares à política municipal de abastecimento de água, saneamento e de recursos hídricos.
IX - a formulação de políticas e diretrizes para o desenvolvimento rural e o fomento da pesca e da produção aqüícola;
X - promover a execução e a avaliação de medidas, programas e projetos de apoio ao desenvolvimento rural, da pesca industrial, artesanal e amadora;
XI - desenvolver ações voltadas à implantação de infra-estrutura de apoio  ao desenvolvimento rural,  à comercialização do pescado e do fomento à pesca e à aqüicultura;
XII - desenvolver ações voltadas ao desenvolvimento social no meio rural, pesqueiro artesanal e na aqüicultura.
XIII – promover o cadastro rural; e
XIV – emitir nota de produtor rural, em convênio com o órgão estadual.
 
Art. 31  A Secretaria de Transportes, Obras, Pesca, Desenvolvimento Rural e Aquicultura possui a seguinte estrutura:
I - Departamento de Transporte:
a) Coordenadoria de Controle de Frota:
1. Divisão de Registro e Escalas;
2. Divisão de Movimentação de Veículos Pesados;
3. Divisão de Serviços de Manutenção de Frota.
b) Coordenadoria Manutenção Mecânica, Elétrica e Funilaria;
1. Divisão de Serviços Mecânicos;
2. Divisão de Serviços de Funilaria;
II - Departamento de Execução e Fiscalização de Obras Públicas:
a) Coordenadoria de Obras e Terraplanagem;
1. Divisão de Obras Rodoviárias;
2. Divisão de Reformas e Melhorias de Próprios;
3. Divisão de Manutenção de Calçamentos;
4. Divisão de Serviços de Pavimentação.
III - Departamento de Serviços e Manutenção de Próprios Públicos:
a) Coordenadoria de Cemitérios;
1. Divisão de Manutenção de Cemitérios;
b) Coordenadoria de Manutenção e Ampliação da Iluminação Pública;
1. Divisão de Serviços de Eletricidade;
c) Coordenadoria de Limpeza Pública e Coleta de Lixo;
1. Divisão de Serviços Gerais;
IV - Departamento de Defesa Civil;
V - Departamento de Água e Saneamento:
a) Coordenadoria do Serviço Municipal de Água e Saneamento – SEMAS.
1. Divisão de Drenagem pluvial;
2. Divisão de Serviços de Abastecimento.
VI - Departamento de Pesca e Aqüicultura:
VII - Departamento de Desenvolvimento Rural e Assistência Técnica:
a) Coordenadoria de Projetos de Desenvolvimento Rural;
b) Coordenadoria de Cadastro Rural;
c) Coordenadoria de Mecanização Agrícola;
VIII - Departamento de Inspeção Animal e Bem Estar Animal:
a) Coordenadoria de Análise de Projeto e Registro; e
b) Coordenadoria de Bem Estar Animal.
 
§ 1º  Fica vinculado administrativamente à Secretaria de Transportes, Obras, Pesca, Desenvolvimento Rural e Aquiculturaa, o Conselho Municipal de Defesa Civil.
 
§ 2º  O Fundo Municipal de Emergência da Defesa Civil de Laguna - FUMDEC, fica igualmente vinculado à Secretaria de Transportes, Obras, Pesca, Desenvolvimento Rural e Aquicultura, o qual será administrado pelo Secretário Municipal da referida pasta e por uma Comissão Gestora, na forma da Lei.
 
Seção II
Da Secretaria de Saúde
 
 
Art. 32  À Secretaria de Saúde compete:
 
I - planejar e formular as políticas de saúde, em consonância com as diretrizes do Conselho Municipal de Saúde;
II - organizar, avaliar, controlar, fiscalizar e regulamentar as ações dos serviços e recursos de saúde;
III - a gestão e execução política municipal de saúde;
IV - atuar como órgão normativo em saúde pública, dentro de sua competência legal;
V - fiscalizar o cumprimento das posturas referentes ao poder de polícia de higiene pública;
VI - proceder à inspeção de saúde dos servidores municipais, para efeitos de admissão; e
VII - gerir o Fundo Municipal de Saúde.
 
Art. 33  A Secretaria de Saúde possui a seguinte estrutura:
 
I - Departamento de Controle, Auditoria e Avaliação:
II - Departamento de Laboratório e Farmácia;
a) Divisão de Laboratório;
b) Divisão de Farmácia.
III - Departamento Administrativo e Financeiro:
a) Divisão de Almoxarifado;
IV - Departamento de Enfermagem;
V - Departamento de Odontologia;
VI - Departamento de Vigilância em Saúde:
a) Coordenadoria de Saúde do Trabalhador;
1. Divisão de Saúde do Trabalhador
b) Coordenadoria de Vigilância Sanitária e Epidemiológica;
1.Divisão de Controle de Zoonoses.
VII - Departamento Especial de Atenção Básica;
VIII – Departamento de Apoio:
a) Coordenadoria de Apoio à Saúde Bucal;
b) Coordenadoria de Correspondência;
c) Coordenadoria do Núcleo de Atenção à Saúde da Família - NASF;
d) Coordenadoria do Centro de Atenção Psicossocial;
e) Coordenadoria de apoio às Unidades de Saúde.
a) Divisão de Unidade de Saúde.
IX - Departamento de Tratamento de Fora do Domicílio:
a) Coordenadoria de Consultas e Exames de alto custo;
X - Departamento de Patrimônio:
c) Coordenadoria da frota; e
e) Coordenadoria de serviços gerais.
       
§ 1º Cada Unidade de Saúde existente no Município corresponde a uma divisão.
 
§ 2º O Chefe do Poder Executivo poderá criar novas unidades de saúde conforme a necessidade do serviço.
 
 
Seção III
Da Secretaria de Educação e Esportes
 
 
Art. 34  À Secretária de Educação e Esportes compete:
 
I - executar as atividades relativas à educação, a cultura e o esporte escolar e amador;
II - entrosar-se com o Ministério da Educação e com a Secretaria de Educação do Estado, para execução de programas educacionais;
III - coordenar as ações dos corpos docente e discente, traçando em conjunto com estes as normas para a supervisão, execução do planejamento e serviços;
IV - instalar e manter os estabelecimentos de ensino, dotando-os de infra-estrutura adequada e atendendo aos programas;
V - estimular as práticas esportivas; e
VI - elaborar calendário das promoções esportivas e esportivo-educacionais do Município patrocinadas pela Secretaria.
 
Art. 35  A Secretaria de Educação e Esportes possui a seguinte estrutura:
 
I - Departamento de Projetos;
II - Departamento de Administração, Controle e Acompanhamento:
a) Coordenadoria de Recursos Humanos e Política de Pessoal;
b) Coordenadoria de Material e Transporte Escolar;
c) Coordenadoria de Apoio a Rede Física;
III - Departamento de Ensino Fundamental e Infantil;
IV - Departamento de Educação de Jovens e Adultos e de Ensino Profissionalizante;
V – Departamento de Apoio Pedagógico:
a) Coordenadoria de Bibliotecas;
1. Divisão de Inclusão Digital;
2. Divisão de Catalogação;
b) Coordenadoria de Projetos e Convênios Educacionais;
VI - Departamento Municipal de Esporte – DME:
a) Coordenadoria de Apoio e Desenvolvimento Desportivo:
1. Divisão de Treinamento Desportivo;
2. Divisão de Eventos Escolares;
b) Coordenadoria dos Centros Esportivos:
1. Divisão de Equipamentos Esportivos;
c) Coordenadoria do Esporte Comunitário:
1. Divisão de Esporte Amador.
VII - Departamento de Inclusão; e
VIII - Departamento de Tecnologia Educacional.
 
 
Seção IV
Da Secretaria de Turismo, Lazer e Comunicação
 
 
Art. 36  À Secretaria de Turismo, Lazer e Comunicação compete:
 
I - executar a política de desenvolvimento do turismo;
II - divulgar as potencialidades turísticas do Município;
III - promover, turisticamente, as micros e pequenas empresas, mediante apoio logístico;
IV - elaborar o calendário turístico do Município, procurando adequá-lo ao da região;
V - fortalecer o Conselho Municipal do Turismo como órgão definidor da política e das ações dinamizadoras do setor;
VI - o assessoramento as secretarias e demais órgãos do município em assuntos de comunicação social;
VII - a articulação das relações da administração municipal com os órgãos da imprensa;
VIII - a seleção dos veículos de comunicação social para os diferentes assuntos de interesse da administração;
IX - o planejamento de campanhas de divulgação administrativa;
X - a preparação de diários e informativos para o público interno e externo da prefeitura;
XI - a assistência direta ao prefeito municipal na sua representação junto às autoridades;
XII - promover a relação internacional do município de Laguna;
 
Art. 37  A Secretaria de Turismo, Lazer e Comunicação possui a seguinte estrutura:
 
I - Departamento de Planejamento e Organização do Turismo:
a) Coordenadoria de Planejamento e Projetos Turísticos;
b) Coordenadoria de Divulgação e Marketing Turístico;
c) Coordenadoria de Receptivo e Orientações Turísticas;
1) Divisão de Orientação e Controle de Serviços de Guias de Turismo.
II - Departamento de Comunicação e Publicidade;
a) Coordenadoria de Imprensa;
 
 
Seção V
Da Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Econômico e Social
 
 
Art. 38  À Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Econômico e Social compete:
 
I - desenvolver, em articulação com a Secretaria da Fazenda, Administração e Serviços Públicos e demais órgãos e entidades da Administração Pública, a captação e negociação de recursos junto a órgãos e instituições nacionais e internacionais e apoiar o monitoramento da aplicação;
II - desenvolver outras atividades destinadas à consecução de seus objetivos.
III -  programa, controla e fiscaliza as obras e o parcelamento do solo;
IV – planeja, controla e gerencia o sistema viário do Município;
V – planeja a ocupação do espaço urbano e rural;
VI - coordenar a elaboração e implantação do Plano Municipal de Desenvolvimento Econômico e Social;
VII - desenvolver ações que promovam um desenvolvimento econômico sustentável e solidário;
VIII - promover a organização do setor informal da economia do Município;
IX - produzir, sistematizar e disponibilizar informações sócio-econômicas do Município, principalmente questões de emprego, qualidade de vida, qualidade de mão-de-obra, infra-estrutura, logística e incentivos;
X – organizar cursos de qualificação profissional;
XI – assessorar o Conselho Municipal de Geração de Trabalho, Emprego e Renda; e
XII – administrar o distrito industrial.
 
Art. 39  A Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Econômico e Social possui a seguinte estrutura:
 
I - Departamento de Projetos:
a) Coordenadoria de Desenvolvimento de Projetos de Obras Públicas;
1) Divisão de Análise de Projetos da Construção, Reforma e Ampliação;
b) Coordenadoria de Análise de Projetos;
1) Divisão de Análise de Consultas de Viabilidade.
II - Departamento de Fiscalização de Obras:
a) Coordenadoria de Recursos e Regularizações;
III – Departamento Sócio Econômico; e
IV - Departamento da Indústria e do Comércio.
 
 
Seção VI
Da Secretaria de Habitação e Assistência Social
 
 
Art. 40  À Secretaria de Habitação e Assistência Social compete:
 
I – planejar, cadastrar e organizar o acesso à habitação.
II – planejar e organizar as ações previstas na Lei Orgânica da Assistência Social em parceria com o Governo Federal, Estadual e Organizações Sociais reconhecidas nos Conselhos Municipais integrados à política de assistência social e do direito da criança e do adolescente;
III - implantar planos, programas, projetos e atividades de assistência social e do desenvolvimento comunitário;
IV - propor convênios e termos de parcerias com entidades públicas, privadas e filantrópicas para a implantação de planos, programas e projetos na área de assistência social e comunitária;
V - promover a integração das pessoas portadoras de deficiência, à vida comunitária;
VI - assistir técnica e material a associações de bairros e outras formas organizadas da sociedade que permitam a melhoria das condições de vida dos habitantes do Município;
VII - realizar, em colaboração com entidades públicas, privadas e filantrópicas, programas de capacitação de mão-de-obra e sua integração ao mercado de trabalho local;
VIII - organizar atividades ocupacionais dos diferentes grupos da comunidade visando sua integração à economia local;
IX - promover atividades visando orientar o comportamento de grupos específicos em face de programas de saúde, higiene, educação e outros em colaboração com as demais Secretarias;
X - formular e desenvolver projetos que visem organizar e dar continuidade às atividades econômicas alternativas, com o objetivo de minorar o problema do desemprego no Município;
XI - coordenar as ações dos órgãos públicos e das entidades privadas que visem solucionar os problemas sociais da comunidade urbana e rural;
XII - a assistência social às pessoas carentes, em atendimento às suas necessidades emergenciais e básicas;
XIII - propor estratégia de ação, em face dos problemas sociais prioritários ao Município, com a participação da comunidade;
XIV - desenvolver ações integradas com outras Secretarias Municipais;
XV - coordenar e supervisionar a realização de mutirões, convocando a cooperação e participação dos demais órgãos da municipalidade, para a consecução dos objetivos a serem alcançados;
XVI - cadastrar e selecionar a população de baixa renda, visando incluí-los nos programas governamentais que visem o social e proceder à sua distribuição, obedecendo aos critérios ditados pela Assistência Social;
XVII - avaliar através das diversas associações comunitárias as suas necessidades, carências e propor as medidas necessárias;
XVIII - desenvolver trabalhos que visem à proteção e o respeito aos direitos da criança e do adolescente;
XIX - amparar crianças e adolescentes em situação de risco social;
XX - facilitar o cumprimento do Estatuto da Criança e do Adolescente;
XXI - realizar ações que façam cumprir o Estatuto do Idoso;
XXII – apoio à reeducação de pessoas apenadas;
XXIII – estudar e propor alternativas de solução social e economicamente compatível com a realidade local.
XIV - apoiar tecnicamente e financeiramente aos Conselhos Municipais da área social;
XXV - divulgar amplamente os benefícios, serviços, programas e projetos assistenciais, bem como dos recursos oferecidos pelo Poder Público e dos critérios de sua concessão.
XXVI - formular e executar o Plano Municipal da Assistência Social; e
XXVII - exercer o controle orçamentário no âmbito da Secretaria;
 
Art. 41  A Secretaria de Habitação e Assistência Social possui a seguinte estrutura:
 
I - Departamento de Habitação:
a) Coordenadoria de Programa Habitacional.
II - Departamento de Assistência Social e Apoio Comunitário;
III – Departamento Administrativo e Financeiro de Fundos;
a) Coordenadoria de fundos e convênio;
b) Coordenadoria de Assistência Comunitária;
c) Coordenadoria do Serviço de Assistência ao Idoso;
d) Coordenadoria do Serviço de Cadastro Social;
e) Coordenadoria do Serviço de Assistência à Criança e ao Adolescente; e
f) Divisão de apoio a Assistência Social.
 
Parágrafo único. Ficam vinculados administrativamente à Secretaria Municipal de Habitação e Assistência Social os seguintes órgãos e fundos:
 
I - Fundação Irmã Vera;
II - Fundo Municipal da Assistência Social - FMAS;
III – Fundo da Infância e para a Adolescência - FIA;
IV - Conselho Municipal da Criança e Adolescência – CMDCA;
V - Conselho Tutelar;
VI - Conselho Municipal de Assistência Social;
VII – Conselho Municipal da Juventude;
VIII – Conselho Municipal do Idoso;
IX – Centro de Referência da Assistência Social – CRAS; e
X - Centro Especializado de Assistência Social - CREAS.
 
 
CAPÍTULO IV
 
DOS ÓRGÃOS CONSULTIVOS
 
 
Art. 42  A competência, a composição e a vinculação dos órgãos de caráter consultivo são estabelecidas pela lei que os criar.
 
 
TÍTULO V
 
DAS NORMAS ADMINISTRATIVAS
 
CAPÍTULO I
 
DA ELABORAÇÃO E DA EFICÁCIA DOS ATOS ADMINISTRATIVOS
 
 
Art. 43  Os atos administrativos unilaterais e bilaterais deverão ser elaborados com a indicação do dispositivo legal ou regulamentar autorizador da sua expedição.
 
§ 1º A validade e a eficácia dos atos administrativos unilaterais de efeitos externos e dos bilaterais dependem de sua publicação no veículo de divulgação oficial do Estado.
 
§ 2º  Os contratos, convênios e acordos administrativos e suas respectivas alterações, mediante aditivos, poderão ser publicados em extratos, com a indicação resumida dos seguintes elementos indispensáveis à sua validade:
 
I - espécie e número;
II - nomes das partes contratantes, convenentes ou acordantes;
III - objeto do ato;
IV - preço;
V - forma de pagamento;
VI - crédito orçamentário pelo qual correrá a despesa;
VII - prazo de vigência; e
VIII - data de assinatura e indicação dos signatários.
 
 
CAPÍTULO II
 
DAS NORMAS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA, CONTABILIDADE E AUDITORIA
 
 
Art. 44  Os órgãos da administração direta e as entidades da administração indireta observarão plano de contas único e as normas gerais de contabilidade e de auditoria que forem aprovadas pelo Governo Municipal.
 
Art. 45  Publicados a lei orçamentária anual ou os decretos de abertura de créditos adicionais, as unidades orçamentárias, de contabilização e de fiscalização financeira ficam habilitadas a tomar as providências cabíveis para o desempenho de suas tarefas.
 
Art. 46  A discriminação das dotações orçamentárias globais de despesas será feita de acordo com as tabelas explicativas, aprovadas e alteráveis por decreto do Chefe do Poder Executivo, dentro dos limites estabelecidos pela legislação federal.
 
Art. 47  Com base na lei orçamentária anual, na de créditos adicionais e seus atos complementares, o órgão de programação financeira fixará as cotas e prazos de utilização de recursos pelos órgãos e entidades do Poder Executivo, a fim de atender à movimentação dos créditos orçamentários e adicionais.
 
Art. 48  Nenhuma despesa poderá ser realizada sem a prévia existência de crédito que a comporte ou quando imputada à dotação imprópria, vedada expressamente qualquer atribuição de fornecimento ou prestação de serviços cujo custo exceda os limites previamente fixados.
 
Parágrafo único. Mediante representação dos órgãos centrais de contabilidade ou de auditoria serão impugnados quaisquer atos referentes à despesa que incidam na proibição deste artigo.
 
Art. 49  Na realização da receita e da despesa públicas será utilizada a via bancária, de acordo com as normas estabelecidas em regulamento.
 
§ 1º Nos casos em que se torne indispensável à arrecadação de receita diretamente pelas unidades administrativas, o recolhimento à conta bancária far-se-á no prazo fixado em regulamento.
 
§ 2º O pagamento de despesas, obedecidas às normas que regem a execução orçamentária, far-se-á mediante ordem bancária ou cheque nominativo, contabilizado pelo órgão competente.
 
§ 3º Em casos excepcionais, quando houver despesa não atendível pela via bancária, as autoridades ordenadoras poderão autorizar suprimentos de fundos, de preferência a agentes afiançados, fazendo-se os lançamentos contábeis necessários devendo haver, no prazo previsto em regulamento, a comprovação dos gastos.
 
§ 4º O servidor que receber suprimentos de fundos é obrigado a prestar contas de sua aplicação procedendo-se, automaticamente, à tomada de contas, se ele não o fizer no prazo assinalado.
 
§ 5º Para o fim de realizar despesas que não possam subordinar-se ao processo normal de aplicação, poderá ser utilizado o regime de adiantamento, sempre precedido de empenhos gravados na dotação própria.
 
§ 6º O regime de adiantamento de que trata o parágrafo anterior consiste na entrega de numerário a servidor, cuja prestação de contas far-se-á no prazo de 15 (quinze) dias, contados da data do recebimento, sob pena da incidência de correção monetária e multa a favor do órgão ou entidade a que pertencer o crédito.
 
§ 7º Decreto do Chefe do Poder Executivo baixará normas complementares ao regime de adiantamento.
 
§ 8º O pagamento de diárias e ajuda de custo dos servidores do Poder Executivo deverá ser publicado no órgão oficial até 30 (trinta) dias após a concessão, mencionando-se o nome do beneficiário, o valor pago e a respectiva motivação.
 
Art. 50  Decreto do Chefe do Poder Executivo fixará as normas relativas à rotina de execução orçamentária para os órgãos da administração direta e para as entidades da administração indireta.
 
Art. 51  Cabe ao Prefeito Municipal autorizar a inscrição de despesas processadas e não processadas em restos a pagar, obedecidas na liquidação às mesmas formalidades fixadas para a administração dos créditos orçamentários.
 
Parágrafo único. As despesas empenhadas e não processadas inscritas em restos a pagar serão liquidadas quando do recebimento do material, da execução da obra ou da prestação do serviço, ainda que ocorram depois do encerramento do exercício financeiro.
 
Art. 52  Todo ato de gestão financeira deve ser realizado por força de documento que comprove a operação e registrado na contabilidade, mediante classificação em conta adequada.
 
Art. 53  O acompanhamento da execução orçamentária será feito pela Secretaria da Fazenda e Gestão Orçamentária.
 
Parágrafo único. A contabilidade deverá apurar os custos de serviços, de forma a evidenciar os resultados da gestão.
 
Art. 54  Os órgãos de contabilidade inscreverão como responsável todo ordenador de despesa, que só poderá ser exonerado de sua responsabilidade depois de julgadas regulares suas contas pelo Tribunal de Contas do Estado.
 
§ 1º O ordenador de despesa é todo e qualquer agente público de cujos atos resultarem emissão de empenho, autorização de pagamento, suprimento ou dispêndio de recursos do Município ou pelos quais este responda.
 
§ 2º As despesas feitas por meio de suprimentos serão escrituradas e incluídas na sua tomada de contas, na forma prescrita e, quando impugnadas, deverá o ordenador determinar imediatas providências para a apuração de responsabilidade e imposição das penalidades cabíveis, sem prejuízo do julgamento da regularidade das contas pelo Tribunal de Contas do Estado.
 
Art. 55  Todo ordenador de despesa ficará sujeito à tomada de contas, inclusive a especial, realizada pelos órgãos de contabilidade e auditoria, antes do encaminhamento ao Tribunal de Contas do Estado.
 
Art. 56  As tomadas de contas serão objeto de pronunciamento expresso do Prefeito Municipal, antes de seu encaminhamento ao Tribunal de Contas do Estado para os fins constitucionais e legais.
 
§ 1º A tomada de contas dos agentes públicos será feita no prazo máximo de 90 (noventa) dias do encerramento do exercício financeiro, pelo órgão encarregado da contabilidade, e será previamente submetida ao Prefeito Municipal.
 
§ 2º Sem prejuízo do encaminhamento ao Tribunal de Contas do Estado, no caso de irregularidade, serão adotadas as providências indispensáveis para o resguardo do interesse público e da propriedade na aplicação do dinheiro público, dando-se ciência, oportunamente, ao Tribunal de Contas do Estado.
 
§ 3º A tomada de contas especial de administrador ou responsável pela guarda, arrecadação e aplicação de dinheiro, bens e valores públicos, no âmbito da administração direta e indireta, consiste em processo devidamente formalizado pelo órgão competente, que objetiva a apuração de fatos, identificação dos responsáveis e quantificação do dano, quando não forem prestadas as contas ou ocorrer desfalque, desvio de bens e valores públicos, ou ainda se caracterizada prática de qualquer ato ilegal, ilegítimo ou anti-econômico de que resulte prejuízo ao erário, fazendo-se comunicações a respeito ao Tribunal de Contas do Estado.
 
Art. 57  Aos detentores de suprimento de fundos incumbe recolher os saldos em seu poder em 31 de dezembro.
 
Parágrafo único. Em casos especiais, a critério do Poder Executivo, a obrigação estabelecida neste artigo poderá ser substituída pela indicação precisa dos saldos existentes naquela data, para efeito de contabilização e reinscrição da respectiva responsabilidade para sua aplicação em data posterior, observados os prazos assinalados pelo ordenador de despesa. A importância aplicada até 31 de dezembro será comprovada até 15 de janeiro seguinte.
 
Art. 58  Quando se verificar que determinada conta não foi prestada, ou que ocorreu desfalque, desvio de bens ou outra irregularidade de que resulte prejuízo para a Fazenda Pública, as autoridades administrativas, sob pena de
co-responsabilidade, e sem embargo dos procedimentos disciplinares, deverão tomar providências imediatas para assegurar o respectivo ressarcimento e instaurar a tomada de contas especial, fazendo-se comunicação a respeito ao Tribunal de Contas do Estado.
 
Art. 59  Os órgãos orçamentários manterão atualizadas as relações de responsáveis por dinheiro, valores e bens públicos, cujo rol deverá ser encaminhado ao Tribunal de Contas do Estado.
 
Art. 60  Os bens móveis, materiais e equipamentos em uso ficarão sob responsabilidade dos chefes de setor ou equivalente, procedendo os órgãos de controle à sua periódica verificação.
 
Parágrafo único. Os estoques serão obrigatoriamente contabilizados, fazendo-se a tomada anual das contas dos responsáveis.
 
Art. 61  Todo aquele que, a qualquer título, tenha a seu cargo serviços de contabilidade, é pessoalmente responsável pela exatidão das contas e oportuna apresentação dos balancetes, balanços e demonstrações contábeis dos atos relativos à administração financeira e patrimonial do setor sob o seu encargo.
 
Art. 62  Responderão pelos prejuízos que causarem à Fazenda Pública o ordenador de despesa e o responsável pela guarda de dinheiro, valores e bens.
 
Art. 63  Prestará contas qualquer pessoa física ou jurídica, pública ou privada, que utilize, arrecade, guarde, gerencie ou administre dinheiro, bens e valores públicos ou pelos quais o Município responda, ou que, em nome deste, assuma obrigações de natureza pecuniária.
 
 § 1º Quem quer que utilize dinheiro público terá de comprovar o seu bom e regular emprego, na conformidade das leis, regulamentos e normas emanadas das autoridades administrativas competentes.
 
§ 2º Ao órgão de Controle Interno do Poder Executivo, quando no exercício de suas funções e mediante identificação funcional de seus servidores, deverá ser permitido o livre acesso a todas as dependências do órgão ou entidade auditada, assim como a documentos, valores, registros, livros e sistemas informatizados considerados indispensáveis ao cumprimento de suas atribuições, não lhes podendo ser sonegado, sob qualquer pretexto, processo, documento ou informação.
 
§ 3º Em caso de não-atendimento ao disposto no parágrafo anterior, o dirigente do referido órgão comunicará o fato por escrito ao Chefe do Poder Executivo, que tomará as providências cabíveis junto ao Titular do órgão ou entidade auditada.

TÍTULO VI
 
DAS DISPOSIÇÕES FINAIS
 
 
Art. 64  Os cargos de provimento em comissão e as funções gratificadas, correspondentes aos cargos mencionados nesta Lei serão criados por lei.
 
Art. 65  O Chefe do Poder Executivo Municipal poderá dispor em Decreto, sobre a organização e competência detalhada dos órgãos que compõem as unidades administrativas.
 
Art. 66  O Chefe do Poder Executivo poderá constituir comissões, conselhos ou grupos de trabalho no interesse da administração municipal, bem como deslocar a sede do Governo Municipal, temporariamente, para localidades municipais, com o objetivo de realizar atividades do Poder Executivo Municipal.
 
Art. 67  Os serviços públicos municipais funcionarão sem solução de continuidade durante a implantação sistemática das normas estabelecidas nesta Lei, Complementar mantida, se necessário, a organização anterior, até a efetiva concretização da nova estrutura.
 
Art. 68  Todo servidor público municipal é responsável pela segurança do trabalho e de sua repartição, nos limites e disposições da lei.
 
Art. 69  Nos casos em que a legislação municipal for omissa, para efeitos desta Lei Complementar, o Município aplicará supletivamente a legislação estadual ou federal correspondente.
 
Art. 70  A estrutura administrativa prevista na presente Lei Complementar entrará em funcionamento, gradativamente, à medida que os órgãos que a compõem forem sendo implantados, segundo a conveniência administrativa e a disponibilidade de recursos.
Art. 71  Os despachos da autoridade municipal competente serão proferidos, regularmente, dentro do prazo de 20 (vinte) dias.
 
Art. 72  A expedição de certidões e as requisições judiciais serão atendidas pela autoridade municipal dentro do prazo de 15 (quinze) dias se outro prazo não for estabelecido.
 
Art. 73  Fica o Chefe do Poder Executivo autorizado a remanejar as dotações orçamentárias dos órgãos, unidades e entidades da administração direta e indireta extintos, desmembrados ou transformados em face da presente Lei Complementar para os órgãos, unidades e entidades que tiverem absorvido as correspondentes atribuições, mantida a respectiva classificação funcional programática, incluídos os descritores, metas e objetivos previstos na lei orçamentária vigente.
 
Art. 74  Fica o Chefe do Poder Executivo autorizado alterar por Decreto, a estrutura da Administração Municipal, limitada esta alteração, ao número de Secretarias, Fundações, Diretorias, Coordenadorias, cargos efetivos e comissionados e, também ao de funções gratificadas dispostas na presente Lei Complementar.
 
Art. 75  Para fins do disposto do inciso V do artigo 13 da Lei Orgânica do Município de Laguna, fica estabelecido em no máximo 20% (vinte por cento) do número total de servidores efetivos, o número de vagas para cargos comissionados, das quais 20% (vinte por cento) são destinadas para servidores efetivos.
 
Art. 76  Para cada Secretaria haverá um Secretário Titular e um Adjunto e, para cada Departamento um Diretor, como também para cada Coordenadoria um Coordenador e, para cada chefia uma função gratificada.
 
§ 1º Não haverá na estrutura da administração municipal, o cargo de Procurador Geral Adjunto.
 
§ 2º Os cargos de Secretário Municipal, Procurador Geral e Secretário Municipal Adjunto e, outros que a Lei assim o dispuser, são de natureza especial, remunerados por subsídio.
 
Art. 77 Os cargos de Presidente de Fundações integrantes do quadro da administração indireta do Município de Laguna, tem seus vencimentos equiparados ao valor do subsídio do Secretário Municipal.
 
Art. 78  Esta Lei Complementar entra em vigor a partir de 01 janeiro de 2016, revogando as disposições em contrário, em especial a L.C. nº 139/2006 e a L.C. 190/2009.
 
 
 
EVERALDO DOS SANTOS
Prefeito Municipal

 


JUSTIFICATIVA AO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 030/15
 
 
Senhor Presidente
Senhores Vereadores
 
 
Estamos encaminhando a esta Casa Legislativa, em substituição ao PLC nº 0025/2015, novo texto de Projeto de Lei Complementar, que, "ALTERA A ESTRUTURA DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE LAGUNA, CONSOLIDA A LEGISLAÇÃO VIGENTE, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS”.
 
 
 
Após o encaminhamento da proposição (PLC 0025/2015) e, de reunião realizada com o Sindicato dos Servidores Públicos do Município de Laguna, com a Comissão Administrativa que está estudando medidas para instituição das tabelas de progressão funcional, que serão objeto de Projeto de Lei Complementar a ser apresentado no momento e forma oportunas e uma análise mais profunda, verificamos a necessidade de promover algumas alterações, de maneira que estamos encaminhando novo texto em substituição ao anterior, em consideração ao número de alterações realizadas.
 
A Lei Orgânica do Município de Laguna, em seu artigo 68, incisos XII e XXVI, dispõe que compete privativamente ao Prefeito, propor à Câmara Municipal projeto de lei sobre criação, alteração das secretarias municipais, inclusive sobre suas estruturas e atribuições e, também, sobre a estrutura, organização e funcionamento da Administração Municipal.
 
O Projeto de Lei Complementar ora apresentado, como também o anterior, além de consolidar a matéria a respeito do assunto, altera consideravelmente a estrutura da Administração Municipal. Em relação ao texto anterior, diminui ainda mais o número de Secretarias, que passam agora a ser apenas 07.
 
Diminuiu-se também, o número de Departamentos e Coordenadorias, o primeiro em menos 04 e o segundo em menos 09, diminuindo consequentemente, o número de cargos comissionados de Diretor de Departamento e de Coordenador, num total de 13.
 
 
A proposição une Secretarias e extingue outras.
 
 
Conforme declinado anteriormente, a última reforma administrativa realizada foi em 2006. A estrutura criada naquela época, não está adequada à nova realidade Política, Administrativa e Financeira do País e do Município de Laguna.
 
As medidas propostas se fazem necessárias para o aprimoramento da administração que, em resposta aos desafios atualmente colocados à gestão deve se habilitar para a realização de uma gestão ágil, moderna e capaz de atender com eficiência e eficácia o interesse público.
 
Esta nova estrutura administrativa, ora proposta reflete a análise e demandas constatadas e que indicam a necessidade de rearticular Secretarias e Departamentos, criando uma estrutura jurídico-administrativa que se adapte aos novos desafios administrativos em áreas essenciais dos serviço público, em especial, saúde, educação, meio ambiente e captação de recursos.
 
Os desafios postos à Administração Pública Municipal são enormes, em especial, no que tange a assegurar serviços públicos de qualidade à nossa população.
Nesse contexto, é imperioso o esforço dos responsáveis pela Administração em assegurar a adequação da máquina pública, mediante estabelecimento de estrutura organizativa adequada, implemento e adequação da legislação e dos procedimentos jurídico-administrativos, bem como, da valorização e motivação dos servidores públicos. Certamente, a combinação destes esforços assegurará eficácia aos esforços públicos em oferecer uma gestão apta a ofertar serviços públicos de qualidade para toda a nossa população.
 
O Município de Laguna, a exemplo de vários Municípios Brasileiros e Catarinenses, inclusive de Estados, tem atravessado uma crise financeira e econômica, em função da situação na qual o País se encontra.
 
Temos tomado várias medidas administrativas para diminuir o gasto público e, aumentar a arrecadação própria. As proposições enviadas a esta Casa Legislativa, visando a alteração da estrutura da administração e, a adequação da legislação de servidores, é mais uma destas medidas.
 
Em função disto, é de suma importância, que seja dado ao presente Projeto de Lei, tramitação em regime de URGÊNCIA ESPECIAL.
 
 
EVERALDO DOS SANTOS
       Prefeito Municipal
 


  OBS: As normas e informações complementares, publicadas neste site, tem caráter apenas informativo, podendo conter erros de digitação. Os textos originais, revestidos da legalidade jurídica, encontram-se à disposição na Câmara Municipal de Laguna - SC.

Projeto de Lei Complementar / 2015

Projeto de Lei Complementar Substitutivo Global n. 0033/2015

“DÁ NOVA REDAÇÃO AO ART. 340 DA L.C. 105/2003 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS”.

Projeto de Lei Complementar n. 0033/2015

“DÁ NOVA REDAÇÃO AO ART. 340 DA L.C. 105/2003 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS”.

  Projeto de Lei Complementar n. 0032/2015

“EXTINGUE O CARGO EM COMISSÃO DE SUPERVISOR ESCOLAR”.

Projeto de Lei Complementar n. 0031/2015

“DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARGOS E REMUNERAÇÃO DOS SERVIDORES DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA DO MUNICÍPIO DE LAGUNA, CONSOLIDANDO A LEGISLAÇÃO VIGENTE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS”.

Projeto de Lei Complementar n. 0030/2015

“ALTERA A ESTRUTURA DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE LAGUNA, CONSOLIDA A LEGISLAÇÃO VIGENTE, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS”.

Projeto de Lei Complementar n. 0029/2015

“DÁ NOVA REDAÇÃO AO CAPUT DO ART. 1º DA L.C. N. 135/2006".
 

REGIME DE URGÊNCIA - Projeto de Lei Complementar n. 0028/2015

"DÁ NOVA REDAÇÃO AO CAPUT DOS ARTIGOS 1º e 2º E AO ART. 18 DA L.C. 311/15 - REFIS".
 

Projeto de Lei Complementar n. 0027/2015

“EXTINGUE VAGAS DO CARGO DE SUPERVISOR ESCOLAR”.

Projeto de Lei Complementar n. 0026/2015

“DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARGOS E REMUNERAÇÃO DOS SERVIDORES DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA DO MUNICÍPIO DE LAGUNA, CONSOLIDANDO A LEGISLAÇÃO VIGENTE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS”

Projeto de Lei Complementar n. 0025/2015

“ALTERA A ESTRUTURA DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE LAGUNA, CONSOLIDA A LEGISLAÇÃO VIGENTE, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS”.

Projeto de Lei Complementar n. 0024/2015

“INSTITUI LICENÇA ESPECIAL, PARA ACOMPANHAMENTO DE PESSOA COM DEFICIÊNCIA”.

  Projeto de Lei Complementar n. 0023/2015

“ALTERA DISPOSITIVOS DA LEI COMPLEMENTAR 187 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2008.”

Projeto de Lei Complementar n. 0022/2015

“DÁ NOVA REDAÇÃO AO PARÁGRAFO ÚNICO DO ART. 1º DA L.C. 298/14”

Projeto de Lei Complementar n. 0020/2015

“REVOGA A LEI COMPLEMENTAR Nº 054/2000 "
 

REGIME DE URGÊNCIA - Projeto de Lei Complementar n. 0019/2015

 
“ALTERA A DENOMINAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO E PLANEJAMENTO URBANO E, DÁ NOVA REDAÇÃO AOS INCISOS II E III DO ART. 5º DA L.C. Nº 053/2000”

Projeto de Lei Complementar n. 0018/2015

“AUTORIZA A DEMOLIÇÃO DO PÓRTICO INSTALADO NA AVENIDA JOÃO PAULINO DA SILVA JÚNIOR - MARRONZINHO".
 
 

REGIME DE URGÊNCIA - Projeto de Lei Complementar n. 0017 /2015

 
“MODIFICA DISPOSITIVOS DA LEI COMPLEMENTAR Nº 269, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS”.

 
 

Projeto de Lei Complementar n. 016 /2015

ALTERA A LEI COMPLEMENTAR Nº 172 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2007, QUE INSTITUI A TABELA DE PREÇOS PARA EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELA FUNDAÇÃO LAGUNENSE DE MEIO AMBIENTE – FLAMA – E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS”.

Projeto Substitutivo ao Projeto de Lei Complementar n. 0015/2015


"DÁ NOVA REDAÇÃO AOS ARTS. 420 E 423 DA L.C. 105/2003 - CTM" 

REGIME DE URGÊNCIA - Projeto de Lei Complementar n. 0015/2015

"DÁ NOVA REDAÇÃO AO ART. 420 DA L.C. 105/2003 - CTM"

Projeto de Lei Complementar n. 0014/2015

“CONCEDE REVISÃO GERAL ANUAL AOS SERVIDORES DO QUADRO PERMANENTE DO PODER EXECUTIVO”

Projeto de Lei Complementar n. 0013/2015

DISPÕE SOBRE O VENCIMENTO DO CARGO EFETIVO DE MOTORISTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS

Projeto de Lei Complementar n. 0012/2015

CRIA GRATIFICAÇÃO ESPECIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA - ESF

REGIME DE URGÊNCIA - Projeto de Lei Complementar n. 0011/2015

ALTERA A REDAÇÃO DO § 2º DO ART. 1º DA LEI COMPLEMENTAR Nº 311/15 - REFIS

  Projeto de Lei Complementar n. 0010/2015

"DÁ NOVA REDAÇÃO AO § 2º E CRIA O § 3º DO ART. 9º DA LEI COMPLEMENTAR 196, DE 12 DE MAIO DE 2009".

Projeto de Lei Complementar n. 0009/2015

DISPÕE SOBRE A INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE ATIVIDADES DESTINADAS A FEIRAS E EVENTOS TEMPORÁRIOS

Projeto de Lei Complementar n. 0008/2015

ALTERA DISPOSITIVOS DA LEI N. 164/07

Projeto de Lei Complementar n. 0007 /2015

CONCEDE REVISÃO GERAL ANUAL AOS VEREADORES E SERVIDORES DO PODER LEGISLATIVO

Projeto de Lei Complementar n. 0006/2015

"DISPÕE SOBRE O PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE CRÉDITOS FISCAIS - REFIS, NO MUNICÍPIO DE LAGUNA/SC"

Projeto de Lei Complementar n. 0005/2015

DISPÕE SOBRE A FORMA DE APRESENTAÇÃODOS RESÍDUOS SÓLIDOS PARA A COLETA.

Selecione o ano desejado para listar